O dia em que engravidei dos meus três colegas da escola (Assine)

O dia em que transei com os meus três colegas da escola e…

Sexta-feira, 7 de outubro de 2016, um dia que não esqueço e nem tenho como esquecer.

Era um dia comum como outro qualquer, mas não para mim. Não sei exatamente o que me acontecia, mas eu andava meio inquieta, meio descontente com algumas coisas, principalmente com o meu namorado, primeiro e único menino que até então eu tinha, um namoro de três anos, tudo de muito bom, mas que, por aqueles dias, parecia andar me chateando um pouco.

Eu não estava bronqueada com o menino nem nada, a gente se via sempre, era gostoso ficar com ele, mas, não sei exatamente porque, já ia para mais de um mês que a gente não transava… quer dizer, até dava uns pegas fenomenais, mas como eu não sentia vontade de gozar com ele, ou terminava pra ele na mão ou deixava ele por atrás. Ele gostava disso, gozava rápido, e para mim era um alívio, porque acabava logo.

Não sei o que me acontecia, mas eu sentia que precisava dar uma chacoalhada na vida, ter alguma coisa nova. Só que eu não sabia que era exatamente essa coisa nova.

Foi então que, naquela sexta-feira de manhã, saí normalmente para o colégio, encontrei colegas pelo caminho, conversei, brinquei, tudo como sempre eu fazia. Mas fiz um coisa diferente, ao invés de entrar para a aula, fiquei na esquina conversando com o Tuca, o Jânio e o Tilápia, os três colegas mais chegados da minha classe. Conversa, conversa e conversa, deu o sinal, nenhum dos três fez sinal de entrar, eu também não, e quando a diretora apareceu no portão chamando pela gente, eles deram de ombro, eu dei de ombro, e quando ela falou que ou a gente entrava ou saía da frente da escola, saímos da frente da escola.

Descemos os quatro rua abaixo, na direção de um parque, e lembro que ainda virei para trás e fiz careta para a diretora.

– Teus pais vão saber disso. – ela falou, quase gritou, pois já estávamos meio longe.

Virei para trás e fiz mais careta ainda. Acho que eu estava endiabrada, tão endiabrada que quase fui brigar com um senhor que estava caminhando quase junto da gente, quando ele balançou a cabeça reprovando o que eu tinha feito. Verdade é que eu até fui pra cima dele, o Tilápia é que me segurou.

Nunca descobri porque o Tilápia tem esse apelido, mas naquele dia, depois de algumas voltas pelo parque, descobri que ele mora ali perto e que tem uma senhora casa. Casa grande mesmo, bonita, cheia de coisas, bem diferente das outras casas do bairro. Fomos até lá par jogar ping pong, mas logo o Tuca e o Jânio descobriram a mesa de sinuca e resolveram fazer outro jogo.

Só que nesse jogo, que eu não tinha nem ideia de como era, logo começaram a me ensinar… a pegar no taco.

Assine para continuar lendo

Assine por R$ 9,90 mensais e tenha acesso a centenas de contos renovados periodicamente


Encontre mais contos eróticos da Anna Riglane também na

amazon

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s